domingo, 3 de julho de 2011

Estrelismo é o principal inimigo da Seleção Brasileira

A Seleção do Mano Menezes é superior a do Dunga, eu não tenho dúvida disso.

A maioria dos jogadores que jogavam na defesa e no ataque foram substituídos por outros superiores, e os que foram mantidos continuam na vaga por mérito. O meio-campo, na minha opinião, ainda é o setor mais deficiente dessa nova geração, mesmo com o retorno de Ganso.

Mesmo em baixa, ainda acredito que Kaká ou Ronaldinho Gaúcho fariam melhor esse papel de camisa 10. O Ganso joga muito, mas tenho achado ele pouco ofensivo ultimamente.

Mas se os jogadores são melhores, por que os resultados vem sendo tão frustrantes?


Como não sou crítico e não tenho muito (pra não dizer quase nenhum) conhecimento técnico, eu invisto em uma explicação mais simples; o problema é o estrelismo dos jogadores.

A falha de Dunga em não ter jogadores badalados pela torcida na seleção acabou sendo sua grande vantagem. Sem grandes estrelas no time, a seleção era muito pouco assediada e, portanto, a pressão era menor do que atualmente.



Eu aprecio o papel da impressa pra sociedade, sem a informação que recebemos dia-a-dia o mundo seria muito atrasado. Mas a impressa ultimamente tem feito muita cagada. Não sei se é falta de acontecimentos grandes que causa a escassez de conteúdo, mas é muita besteira que eu tenho lido, ouvido e visto em jornais e outros meios de comunicação. No futebol principalmente.

Em tudo quanto é programa de futebol só se fala as mesmas asneiras: 'Neymar é foda!', 'Ganso e Neymar vão arrasar juntos pela seleção?',  'Neymar pinta o cabelo de Loiro', 'Robinho faz penteado a la Pelé', ... Entre outras bobagens.

É muita matéria desnecessária, é muita pergunta óbvia; Estatísticas imbecis: 'Robinho faz 1 ano sem marcar pela seleção', 'A seleção vai vingar a derrota da Holanda?', 'O Brasil não vence a França há 19 anos'; O Brasil só enfrentou a França 4 vezes em 19 anos, caralho!

E ainda tem as comparações: "Neymar vai superar Messi?', 'Pato vai substituir Ronaldo?', 'Ganso é o novo Pelé?'. É assustador o quanto a impressa é pretensiosa!



Com essa tempestade de besteirol, acaba-se criando uma expectativa anormal na massa de torcedores, que contagia a todos.

Aí vem as mídias sociais pra agravar o problema, fazendo o 'vírus' se espalhar Brasil e mundo afora.

Jogadores assistem jornais e tem twitter. Os jogadores são pressionados diariamente sem piedade. A seleção em sua maioria jovem, os jogadores são vaidosos, exibicionistas, gostam de ouvir a torcida gritar seus nomes, de serem chamados de lindos (injustamente) pelas piriguetes de plantão, de ouvir a torcida gritar 'Olé' e aplaudir um drible que da certo; e na tentativa de manter ou superar a expectativa da massa, os jogadores se tornam mais individualistas e imaturos dentro de campo, tentando chamar a atenção pra si.

As pessoas tem o estranho hábito de responsabilizar técnicos por resultados ruins, mas quem erram são os jogadores.

O máximo que o treinador pode fazer é ter bom senso em convocar os jogadores certos, organizar o time taticamente e tentar ensinar alguns macetes pros jogadores. Na hora do jogo, quem precisa correr atrás do Gol são os jogadores. Se o jogador perde uma finalização ou erra um passe, não foi por culpa do técnico, e sim por incompetência dele.




Resumindo o raciocínio, acompanhei todo os jogos da seleção desde que Mano assumiu e o Brasil foi superior em TODOS eles. Os resultados não são de encher os olhos, mas se pararmos pra analisar friamente o Brasil só perdeu 2 jogos, levando 1 gol em cada derrota, que ocorreram diretamente por falhar individuais. A torcida tem que cobrar resultados sim, lógico, mas tem que parar de encher a bola e supervalorizar os jogadores desnecessariamente.

Os jogadores são bons. A gente sabe disso, eles sabem disso, então vamos deixar eles jogarem bola com menos aporrinhação. Isso faria muita diferença.

Fotos: Reuters

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Douglas, vai tomar no cú Douglas!

Com a notícia do retorno de Ronaldinho Gaúcho e o fim do 'castigo' de Neymar fiquei empolgadíssimo com o jogo Brasil X Argentina, afinal com Ronaldinho, Robinho e Neymar juntos teria tudo pra dar show.

E até que o Brasil não fez feio, principalmente Ronaldinho Gaúcho e Neymar, Robinho não fez porra nenhuma o jogo inteiro. Ronaldinho como sempre, roubou a cena de todos os jogadores, criando os melhores lances, cobrando 3 ótimas faltas, e quase fazendo um gol de calcanhar que teria sido épico. Só me deu a impressão que ele tava um pouco fora de forma e demonstrando certo cansaço, vamo malhar!




Mas não importa o quanto os críticos repitam insistentemente que "Ronaldinho não é mais o mesmo", pra mim o cara ainda é o melhor do Brasil dos dias atuais. Perdeu um pouco do brilho e do destaque que tinha, talvez por que não tem feito gols, decidindo partidas e é pessimamente aproveitado no time atual. No entanto eu ainda acredito que ele vai calar a boca de todo mundo e voltar a se destacar nessa porra.

Ponto pro Mano que reconheceu o potencial que o cara tem e finalmente o fez voltar pra seleção de onde nunca devia ter saido.

Mas, enfim...

O Brasil jogou mais ou menos bem, se amarrou um pouco pra partir pra cima dos adversários por intimidação e medo de contra-ataques, mas o jogo se manteve equilibrado.

Até que Mano regride de sua sábia decisão em convocar Ronaldinho e o substitui por Douglas - talvez, como ele proprio citou em entrevista por ter poupado o dentuço de desgaste físico - e André no lugar de Neymar. Daí as chances de gol que o Brasil vinha tendo em demasia cairam e não se viu mas nenhum lance de fazer 'uuuuuuuuuuuuh'!!

Já nos acréscimos, quando alguns provavelmente haviam desligado a televisão pra voltar pros seus compromissos, o substituto de Ronaldinho, Douglas, numa falha bisonhamente absurda, entrega de graça a bola pro ataque argentino, ocasionando um desabafo comédia e super sincero do Mano (que da título a esse post) e um gol do desgraçado do Messi que não deixa passar uma.



Ser derrotado é ruim; ser derrotado nos acréscimos é pior; ser derrotado nos acréscimos pela argentina é foda.

Mas tudo bem, amistosos a gente se conforma. Vamos dar essa chance, afinal, errar é o Mano. 

domingo, 17 de outubro de 2010

Os 10 apresentadores mais toscos da tv aberta

Não sei se é o programa que torna o apresentador ruim, ou vice-versa, mas não bastasse o castigo que é assisti-los, os apresentadores nos torturam com suas perfomances sofríveis - e pior, achando que estão sendo legais. Abaixo, uma lista dos 10 apresentadores mais chatos e incovenientes da atualidade e quiça de toda a história da tv aberta:


10 - Rodrigo Faro: Ele se acha o moderninho. É o típico apresentador mala que se acha super-engraçado e descoladão. Rodrigo Faro faz parte de uma nova geração de apresentadores que estão se mostrando tão ruins quanto os da geração passada. Pior que ele, só mesmo o programa que apresenta.





9 - Ratinho: Tirado a polêmico e a Senhor de todas as causas, Ratinho não passa de um arruaceiro sem causa. Grita, põe o dedo na câmera, joga tudo pro alto, por uma única razão: atrair os idiotas que gostam de barraco e sensacionalistmo. Lamentável.



8 - Faustão: Um dos apresentadores mais caros da tv, Faustão não faz juz ao salário. Nem um pouco. Falastrão, incoveniente, pseudo-engraçado, e puxa-saco dos convidados. Já foi bom apresentador. Talvez o desgaste causado por seu programa que já esta a secúlos no ar a secúlos que foi fazendo as pessoas o acharem cada dia mais chato.



7 - Luciana Gimenez: Primeiramente ela tem um péssimo senso estético para escolher homens, mas até aí tudo bem, pois vê-se que ela prioriza outros... atributos. Confesso que nunca assisti um de seus programas inteiros - e nem sei se sobreviveria a isso - mas no primeiro minuto nota-se a inabilidade dela em apresentar programas e que ela só tá ali por que tem um 'lance' com o big boss da emissora.



6 - Angélica: Poderia usar a mesma justificativa que a do Rodrigo Faro. Angélica também faz o tipo descolada e se acha divertidíssima. A força que ela faz pra parecer carismática fica evidente nos seus risos amarelos e desanimados. Seu programa também não ajuda nem um pouco. Não a culpo, afinal ninguém é obrigado a ser 'todo sorrrisos' pra Deus e o mundo, mas esse é um atributo essencial pra quem é apresentador, então isso não é pra ela.


5 - Hebe Camargo: Apresentador antológica que já devia ter se aposentado desde a muito tempo atrás. Hebe é uma miguxa à moda antiga que trata todo mundo por 'querido' e 'meu lindo'. Parece ser autenticamente simpática, mas ninguém aguenta mais seu programa que traz convidados como Zé Di Camargo e Luciano uma semana sim e outra também.



4 - Xuxa: Das coisas que me envergonho do meu passado, estão os cds da Xuxa que eu tinha. Ela já não é rainha dos baixinhos nem de porra nenhuma, mas sua síndrome de Peter Pan não a deixa se dar conta disso. Faz parte dos artistas que não se conformam de que seu sucesso já passou e insistem em lancar coisas novas na mídia numa tentativa frustada de conseguir a mesma popularidade de outrora. Extremamente falsa e dona de um ego gigantesco, Xuxa é chata até mesmo pras criancinhas que preferem ser orfãs de qualquer ídolo infatil do que curtir seus programas bestas.


3 - Gugu: Já foi inovador e destemido, hoje em dia só inventa desculpas pra não se aposentar; péssimas desculpas. Tentou mudar de emissora pra ver se recuperava o fôlego que já teve, mas acabou piorando sua imagem. Por falta de méritos seu programa investiu no sensacionalismo barato e vem caindo e caindo no ibope. A record fez um péssimo investimento.


2 - Netinho: Pousa de ajudante das causa sociais e se faz de sujeito do povo. Sai sorrindo beijando, abraçando e soltando lágrimas fingindo que ama todo mundo, mas não passa de um sujeito esquentadinho que se acha o maioral. Ao contrário de alguns citados acimas, nunca teve uma boa fase, sempre foi péssimo. Visivelmente decadente, Netinho tentou se jogar na politica, felizmente não foi eleito.


1 - Raul Gil: Apresentador de um dos programas mais enfadooonhos de todos os tempos. Muda todo dia de emissora, mas seu programa sempre é o mesmo. Tirado a amigo e admirador de todo mundo, Raul Gil merecia um microfone de Karaokê e não de ouro.






* Lembrando que são os que acho mais chatos, e não os que eu mais odeios. Não julgo ninguém pessoalmente, pois não os conheço.

sábado, 16 de outubro de 2010

Se você gostou de Tropa de Elite 2 provavelmente vai gostar de...



Talvez fonte de inspiração para o ótimo filme, as recomendações abaixo valem muito a pena ver e compensam o tempo gasto, garantia.



 The Shield  (Série)

The Shield é uma dessas séries fodas que não conseguem se popularizar muito e acabam não recebendo a atenção que merecem. A série possui 7 temporadas já encerradas, a história gira em torno de um distrito e sua equipe policial dando destaque ao 'Strike team' um grupo de 5 policiais que controlam a ação de gangues e o tráfico de drogas. A equipe é bem sucedido em grande maioria de suas operações e sempre tras resultados, porém seus métodos são questionáveis; eles negociam com traficantes, torturam bandidos, implantam evidências e vez ou outra fazem um 'caixa 2' de drogas ou dinheiros aprendidos e o capitão do distrito se divide entre seu dever e suas ambições políticas. Bom roteiro (com algumas perdoaveis falhas de continuação), Boas atuações, ação, violência, política e humor, tudo na medida certa e com uma pitada de realismo. Difícil de resumir. Só assistindo pra saber melhor. Recomendadíssimo!



Dia de Treinamento (Filme)


O detetive oficial da divisão de narcósticos fica responsavel por testar um novato e decide apresentar seu cotidiano ao sujeito. Ao decorrer do dia o policial novato se da conta de que os metodos utilizados por seu superior vão contra seus conceitos de justiça e legalidade, enquanto o oficial vai tentando convencer de que a única maneira de conseguir os resultados é infringindo algumas leis e impondo a autoridade diante dos meliantes. O conflito vai além do ideológico quando o oficial tenta incriminar o novato pra driblar um problema cometido por ele com a máfia russa e tudo se torna pessoal. Outra vez, só assistindo pra ver. Filmaço.




Oitava temporada de 24 horas

 
Na 8ª temporada os roteiristas se esbaldaram. Mais precisamente da metade da temporada em diante, impulsionado por fatos pessoais, Jack Bauer parte pra cima de uma conspiração que encobre - por razões politicas - um segredo de grandes proporções que culminou no assassinato de figuras importantes. Assim como Nascimento em Tropa de Elite 2, Jack Bauer enfrenta todo o sistema praticamente sozinho com a ajuda de alguns poucos amigos e vai subindo de degrau em degrau para chegar ao topo da corrupção montada. 24 horas é uma série fenomenal desde o começo, mas a oitava temporada deu a impressão de que os roteiristas ficaram guardando o melhor pra o último ano. Muito foda!!!



Tropa de Elite 2 renova moral do cinema brasileiro

Tropa de Elite 2 é um filme que renova a pouca confiança que o público tem do cinema brasileiro.

Tem tudo que um filme precisa pra se tornar clássico: boa direção, boa produção, bom roteiro, bons atores, dialógos memoraveis, boa trilha-sonora e de quebra humor-negro, além de trazer uma crítica/denúncia ousada ao sistema.



Logo na estréia quando ainda não havia assistido, li algumas críticas que diziam que o filme havia amadurecido diante do primeiro e não haviam os bordões-chicletes que tornou-o popular. Juntando as primeiras críticas com o trailer que achei fraquíssimo fui ao cinema como quem já esperava decepção; sem contar que sempre que lançam uma continuação não planejada de um filme me da a impressão de que o filme é meramente comercial.

Estava enganado.

O filme é uma obra-prima, superando o primeiro em todos os quesitos, e pra mim empata com Cidade de Deus na lista de melhores filmes brasileiros.

Tudo esta melhor nessa continuação.

O Roteiro

A história deu um pulo de 12 anos - o que por um lado eu achei ruim, pois com o Capitão Nascimento mais velho limita-se a possibilidade de haver um Tropa de Elite 3. Capitão Nascimento agora é Coronel Nascimento e o 'Aspira' agora é Capitão Mathias.

Como no primeiro, o filme 'começa do final' - ou quase do final - criando uma espectativa na platéia que quer saber quais eventos levarão até ali.



A seguir vemos uma ótima sequência de uma operação do Bope e apresentação de alguns novos personagem, entre eles um pseudo-moralista (tipo o que eu mencionei no post da Dilma) do tipo 'direitos-humanos acima de tudo' que é posto como 'rivalzinho' do Corona. O sujeito é do tipo que prende a atenção dos ouvintes com discursos humanítários e dados matemáticos absurdos que impressionam.

Não quero ser entendido errado; o personagem é ótimo e adorei a interpretação do ator - que desconheço o nome. Sem contar que ele tem uma relevância imensa ao decorrer da trama.

Os problemas pessoais recebem uma atenção especial, enquanto o BOPE que foi o grande protagonista do primeiro passa a ser meio que um coadjuvante. Mas não pense que essa mudança comprometeu o filme não.

A história como todo mundo já sabe tem foco na milícia. Não vou fazer sinopse por que todo mundo já sabe mais ou menos o que acontece e também por que não sei resumir filmes. A questão é que as tramas e subtramas são muito bem montadas, a narrativa da história é ótima e o roteiro só não é impecável por causa de alguns exageros (que eu entendo que são necessários pra aumentar a tensão de quem assiste) e por alguns defechos prevísiveis - mas afinal, o que hoje em dia não é previsível?

Os Atores / Personagens

Os Personagens foram muito bem trabalhados e as atuações foram menos caricatas que algumas do primeiro.

André Ramiro (Capitão Mathias) cresceu-se significativamente como ator (convenhamos que no primeiro filme ele não convenceu) e arrasa como a "menina dos olhos" do Coronel Nascimento.

 
Meu conterrâneo, Wagner Moura, nem se comenta, o cara é o melhor do Brasil.

Agora, as revelações ficam por conta de Irandhir Santos, André Matos e Sandro Rocha, respectivamente o 'direito humanista' Fraga, o político/apresentador Fortunato e o Major Russo.

Uma composição da porra.

Referências a apresentadores baianos ou coincidência?

Aqui na Bahia temos 3 programas estilo 'mundo-cão' popularíssimos: Na Mira, Balanço Geral e Se Liga Bocão. Pode ter sido acaso, mas o personagem Fortunato e seu 'Mira Geral' parece referenciar esses 3 programas não só pelo discurso 'falo mesmo' e postura dos seus apresentadores, quanto pelo próprio título e bordões utilizados.

O nome 'Mira Geral' seria uma mistura de Na Mira e Balanço Geral; O discurso 'Dar flores pro bandido' já foi feito por Uziel Bueno - ex-apresentador do Na mira, o murro na mesa lembra os tapas de indignação de Varela - o apresentador do Balanço Geral - e o bordão 'larga o aço' era frequentemente usado por Zé Eduardo - apresentador do Se liga Bocão.

Me pareceu uma referência...

Enfim...

Resumindo, Tropa de Elite é um desse filmes raros e únicos de relevância não só social como artística. Sim, por que quem sabe esses diretorizinhos e roteiristazinhos medíocres que comandam o cinema brasileiro não assistem, tomam vergonha e vão fazer um filme brasileiro que se aproveite - somado a atual crise de criatividade de hollywood, seria uma boa oportunidade pro cinema brasileiro ganhar destaque mundial.

Eu já desisti de ser cineasta, mas ainda tô na torcida.


Resumo crítico do filme pra quem tem preguiça de ler o artigo todo:

Assista que é DO CARAAAALHO!!!!



P.s.: Porra, como eu esqueço de mencionar Seu Jorge!? O cara fez uma ponta de um 20 minutos no filme, mas fez de maneira memorável.  

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

50 coisas que aprendi jogando video game

Passendo pelo Blog Humor Louco achei esse post super interessante sobre video games. Na verdade eu acho que pelas referências o título deveria ser '50 coisas que aprendi jogando Super Nintendo', mas ta valendo:         
  



1. As tartarugas vermelhas são mais inteligentes (e perigosas) que as verdes.

2. Se você estiver dirigindo e ver um raio brilhante ou qualquer objeto estranho de cores chamativas e agradáveis, passe por cima. Se X acelera, A é o turbo.

3. Atirar na cabeça é mais eficaz que em qualquer outra parte do corpo.

4. Allejo foi melhor que Pelé.

5. Nem todas as caixas podem ser empurradas. Muito menos todas as portas podem ser abertas.

6. Só pise no acelerador quando o sinal abrir.

7. Jamais corra fora da pista.

8. Se você não tiver armas ou não souber dar socos, pule na cabeça do desgraçado.

9. Em alguns casos, estrelas são mais importantes que moedas.

10. Não importa qual a distância que você esteja do gol, sempre chute da lateral.

11. Carrinho de lado não é falta.

12. Falta no goleiro leva à expulsão.

13. Golpes especiais, como saltar e dar um soco, fazem você perder vida (desde que você acerte o oponente).

14. Com socos e chutes você quebra carros com mais facilidade do que usando barras de ferro.

15. Não importa o modelo. O carro azul corre mais.

16. Gol olímpico é mais fácil que gol de falta.

17. Nunca é a última fase.

18. Select é tão útil quanto o Scroll Lock ou um bloco amarelo com uma exclamação.

19. Um ataque de zumbis não é nada caso você tenha uma Glock com 10 balas e uma boa mira.

20. Às vezes, uma facada funciona melhor que um tiro.

21. A vida não tem continues infinitos.

22. “Winners don’t use drugs - William S. Sessions – FBI”

23. Não importa qual o seu problema, ele pode ser resolvido com um lança chamas.

24. Ninjas sabem jogar golfe.

25. Você pode construir uma civilização somente com pedras, ouro e madeira.

26. Quando uma pessoa morre ela pisca até desaparecer.

27. Vampiros? Arrumem uma corrente.

28. Meia lua para frente + soco forte = algo interessante.

29. Paredes com rachaduras costumam guardar segredos.

30. Quanto maior o lutador, pior ele é.

31. O reforço sempre chega depois que você mata todo mundo.

32. Nem tudo na vida é Save Game. Portanto, nunca deixe de anotar o password.

33. No final das contas, você se fode para salvar o mundo ou uma mulher.

34. Dirigir pode ser muito mais interessante caso você esteja ouvindo “Highway Star”, “Paranoid” ou “Born to Be Wild”.

35. As melhores épocas de nossas vidas são as fases bônus.

36. PAC MAN nada mais é que correr atrás de balinhas enquanto se ouve uma música repetitiva. Ou seja, uma rave.

37. Você não precisa saber uma única nota musical para ser um astro do rock. Basta ter coordenação motora.

38. Paradas para abastecer o carro ou o avião atrapalham muito.

39. Nem todas as caixas de madeira são quebráveis. Só as mais brilhantes.

40. Barris explosivos são muito bons para matar um grande grupo de pessoas. Basta um tiro certeiro.

41. Nem todos os canos verdes o levam até o esgoto.

42. Não existem castelos sem lava.

43. Quase todos os heróis começam a vida deitados numa cama.

44. Pouco me importa se não adianta nada. Morrermos apertando Start para a introdução passar mais rapidamente.

45. As chaves podem ser do seu tamanho, mas você acha um lugar para guardá-la.

46. Correr no gelo escorrega. Muito.

47. Nem todos os rios estão para nado.

48. Comidas costumam te encher de vida.

49. Seu carro capotou, saiu da pista e explodiu? Ok, aguarde um instante que ele vai voltar piscando.

50. Cogumelos verdes. Não morra antes de provar pelo menos um.

credito pelo texto segundo o Humor Louco: Contaoutra

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Por que Dunga não chamou Ronaldinho na Copa 2014

Ronaldinho - na minha humilde opinião de quem não entende muito de futebol - é pra mim o melhor jogador de futebol depois de Pelé.



O cara possui um talento inquestionável jogando bola. Tem velocidade, é habilidoso, driblador, com ótima visão de jogo, pinta o escambau em cima do adversário e é um dos poucos jogadores da atualidade adeptos do chamado futebol arte. Além de ser muitíssimo experiente.

Ainda assim não foi chamado pra participar da Copa 2014.

Por que? Poucos sabem.

Pesquisando alguns videos no youtube me bati com um que no mínimo é curioso.

Ronaldinho ainda no Grêmio dando um Chapéu e um drible desconcertante pra cima do former-técnico.

Confiram:

video

 
Deixou o ego falar mais alto hein Dunga?


P.s.: Eu sei que a notícia não esta atualizada, mas, nunca é tarde pra esculhambar.